Os Fundos de Investimento do Santander Totta são uma forma de diversificar o seu património, na tentativa de obter um maior retorno no médio/longo prazo, ainda que associado a um maior risco.

Escolha as diferentes soluções de Fundos de Investimento pelo perfil de risco

Defensivo

Moderado

Dinâmico

Saiba mais sobre...

  • Fundos de Investimento
    O que são fundos de investimento?

    Os Fundos de investimento são instrumentos de poupança colectiva que permitem agregar o património individual de diversos investidores e aplicá-lo em activos financeiros (ações, obrigações, depósitos, fundos de investimento e outros instrumentos financeiros) ou bens reais (imóveis). Ao conjunto de valores que constituem o património de um fundo chama-se carteira.

    Quem gere os fundos de investimento?

    A sociedade gestora que, no caso dos fundos distribuídos pelo Santander Totta, é a SAM, responsável por gerir os fundos de investimento de acordo com a política de investimento acordada com os investidores. As suas principais funções são:

    • Escolher os valores que devem integrar a carteira do fundo;
    • Comprar e vender valores para maximizar o retorno, sem exceder o objetivo de risco do fundo de investimento;
    • Decidir qual a estratégia de investimento e alocação de ativos;
    • Cumprir a política de investimento;
    • Cobrar juros ou dividendos, exercer os direitos inerentes aos valores que integram o património do fundo (por exemplo, a cobrança de juros ou de dividendos, o exercício de direitos de voto, ou a cobrança de rendas);
    • Calcular o valor da unidade de participação.
    Que espécies de fundos de investimento existem?

    Existem duas espécies de fundos de investimento:

    Fundos abertos Fundos fechados
    Número de Unidades de Participação Variável Fixo
    Subscrição Em qualquer momento Período pré-definido
    Resgate Em qualquer momento Data pré-definida
    (em regra, na liquidação do fundo)
    Os custos associados ao fundo

    Os investidores em fundos suportam as seguintes comissões:

    Comissão de subscrição Comissão de resgate Comissão de gestão
    Montante adicionado ao valor das unidades de participação no ato da subscrição. Montante subtraído ao valor das unidades de participação, no ato de resgate.

    Normalmente, varia na proporção inversa do prazo de permanência.
    Suportada directamente pelo fundo. O montante é incorporado no valor da unidade de participação e destina-se a remunerar os serviços prestados pela entidade gestora.

    Para conhecer em detalhe as comissões aplicáveis a um determinado fundo, consulte o regulamento de gestão e o prospeto do mesmo.

    As IFI’s de todos os fundos de investimento devem conter a respectiva taxa de encargos correntes (TEC) relativa ao ano anterior. Esta informação indicará a percentagem que os custos referidos representam no valor do fundo de investimento. Quanto maior for a taxa de encargos correntes, melhor terá que ser o desempenho do fundo para alcançar a mesma rendibilidade de um fundo cuja taxa seja mais baixa.

    Outros custos suportados pelos fundos
    Que tipos de fundos de investimento mobiliário são comercializados

    Os fundos de investimento mobiliário podem ser divididos em vários tipos, em função das suas políticas de investimento e dos principais ativos que integram o seu património.

    Fundos de tesouraria Fundos de obrigações Fundos de ações
    • Caracterizam-se por conter aplicações de curto prazo e de elevada liquidez (ex: títulos de dívida pública ou de empresas com maturidades reduzidas e depósitos a prazo);
    • São de baixo risco, vocacionados para investidores com necessidades de liquidez a curto prazo, sendo uma alternativa ao investimento em depósitos bancários.
    • Composto maioritariamente por obrigações;
    • Possuem um risco acrescido acrescido face a fundos de tesouraria podendo, em contrapartida, oferecer maior rendibilidade;
    • O risco mais relevante nesta categoria é o de crédito das obrigações em que o fundo investe.
    • Associados a maior risco, por estarem muito expostos ao preço das ações em que investem;
    • O risco que lhes está associado pode ser muito diferente, dependendo das bolsas e países em que o fundo investe (ex: investir em ações portuguesas, de estados-membros da União Europeia ou em ações Norte Americanas é diferente de investir em ações de países cuja situação económica e política pode fazer prever grandes variações no valor da carteira do fundo).
    Fundos mistos Fundos de fundos Fundos flexíveis
    • Combinam características dos fundos de obrigações e de ações;
    • O risco e rendibilidade associados a estes fundos varia em função do maior ou menor peso que as ações e obrigações têm no património, bem como dos países em que investe;
    • Investem principalmente em unidades de participação de outros fundos;
    • A política de investimentos e o risco de um fundo de fundos é, por isso, determinado pelas características dos fundos em que se investe. Se investir apenas em unidades de participação de fundos de ações, o seu risco será equivalente ao de um fundo de ações;
    • Fundos que não assumem qualquer compromisso quanto à composição do seu património;
    • Todas as ações publicitárias ou informativas relativas a estes fundos devem incluir uma menção sobre a flexibilidade na constituição do seu património;
  • Os riscos de investir em fundos de investimento

    Ao investir em fundos, os investidores assumem riscos idênticos, embora menores, aos que assumiriam caso optassem pelo investimento direto nos ativos que integram o património dos fundos, já que esse risco se “dilui” nos vários tipos de ativos. Normalmente, a um maior risco está associado um maior potencial de rendibilidade.

    Em geral, os riscos mais relevantes são os seguinte:

    • Risco de Rendimento: associado à variação do valor dos ativos que integram a carteira do fundo, o que faz variar o valor da unidade de participação.
    • Risco de Crédito: associado à possibilidade de incumprimento por parte das empresas emitentes de obrigações, ou à descida das cotações pelo efeito de degradação da qualidade de crédito.
    • Risco de taxa de juro: associado à variação das taxas de juro (a subida das taxas de juro desvaloriza o preço das obrigações e o valor da unidade de participação, tendo no entanto um efeito positivo na remuneração do reinvestimento do cupão; a descida das taxas de juro valoriza as obrigações e as unidades de participação).
    • Risco Operacional: associado a perdas que resultem de erro humano, falhas no sistema ou valorização incorreta de ativos.
    • Risco Fiscal: associado a alterações adversas do regime fiscal, que possa diminuir a remuneração potencial dos ativos fundo.
    • Risco de Instrumentos Financeiros Derivados: associado ao facto de o fundo poder não reflectir as variações positivas no valor dos activos em carteira pelo facto de estes terem sido objecto de cobertura de risco financeiro.
    • Risco Cambial: associado à perda de valor dos investimentos em moeda estrangeira, por depreciação cambial dessa moeda face ao euro.
  • O que é uma Unidade de Participação e como é calculado o seu valor

    Cada fundo é dividido em partes, com características iguais e sem valor nominal, que se chamam Unidades de Participação (UP’s). Ou seja, são as partes unitárias que constituem o fundo de investimento.

    O valor da Unidade de Participação é calculado pela respetiva entidade gestora de acordo com regras pré-estabelecidas:

    • Corresponde à divisão do valor global do fundo pelo número de Unidades de Participação detidas pelos participantes.
    • O valor da unidade de participação serve de base às subscrições e aos resgates e permite acompanhar a evolução do fundo, nomeadamente quanto à sua rendibilidade e risco.

    O valor da Unidade de Participação de cada fundo comercializado pelo Santander Totta é divulgado no site da CMVM, no NetBanco, podendo sempre ser consultado nos balcões do banco.

  • Como saber o valor atual do seu investimento

    O valor do seu investimento está constantemente actualizado no seu NetBanco, podendo também consultar esta informação junto do seu gestor. Adicionalmente, os detalhes do seu investimento são disponibilizados mensalmente via extracto consolidado. Poderá também consultar o valor da Unidade de Participação no site da CMVM.

  • Como subscrever e resgatar

    Pode subscrever fundos de investimento em qualquer balcão do Santander Totta ou, se preferir, através no NetBanco. Para tal, e independentemente do seu canal de eleição, basta escolher qual o fundo que mais se adapta às suas necessidades de investimento, informar-se sobre a sua performance e especificidades, ler atentamente as Informações Fundamentais ao Investidor e indicar o montante que pretende subscrever. Todos os prospectos estão disponíveis para consulta na página de cada fundo e no seu balcão.

  • Como obter toda a informação detalhada sobre os fundos

    Todas as sociedades gestoras são obrigadas a publicar os documentos em formato oficial, aprovados pela CMVM, que contêm as informações necessárias para que os investidores possam tomar uma decisão fundamentada sobre o investimento que lhes é proposto, designadamente, quanto aos custos, risco, objetivos e política de investimentos.

    A Sociedade Gestora publica, para cada um dos seus fundos de investimento mobiliário:

    • IFI - Informações Fundamentais aos Investidores
    • Prospeto Completo (inclui o regulamento de gestão)

    Estes documentos estão constantemente sujeitos a atualizações e podem ser consultados pelos investidores no site da CMVM, em www.cmvm.pt, no site do Santander Totta, em www.santandertotta.pt, estando sempre disponíveis nos Balcões do Banco.

    Para permitir um melhor acompanhamento por parte dos investidores, as sociedades gestoras publicam ainda, obrigatoriamente:

    • Relatórios e contas anuais e semestrais
    • A composição mensal do património, o valor global e o número de unidades de participação em circulação.
  • Quais as razões para investir em Fundos de Investimento

    Os fundos de investimento oferecem vantagens comparativamente ao investimento directo em mercados financeiros, reduzindo riscos, custos e problemas de liquidez, o que os torna um instrumento de grande valor acrescentado para os investidores.

    • Facilidade de Acesso - Investimento em vários mercados, à partida inacessíveis – como os mercados emergentes – com baixos custos.
    • Liquidez - Total e quase imediata, permite converter facilmente as unidades de participação em dinheiro, num prazo entre 1 a 5 dias úteis após data de pedido de resgate.
    • Diversificação - Possibilidade de investir em diferentes mercados, sectores e empresas, tornando o investimento menos sensível aos impactos de um título em particular.
    • Economias de Escala - Devido à dimensão do património gerido pela entidade gestora, é possível realizar operações nos mercados financeiros de forma mais eficiente, reduzindo os custos relacionados com essas operações, principalmente para investidores com patrimónios mais reduzidos.
    • Gestão Profissional - Profissionais dedicados exclusivamente à gestão das carteiras, com vasto conhecimento na área e acesso às melhores ferramentas de análise.
    • Regulação e Supervisão - Os fundos de investimento comercializado no Santander Totta são instrumentos financeiros sujeitos a uma plataforma regulatória internacional (UCITS), que reduz o risco de gestão danosa e de incumprimento de métricas de salvaguarda de risco.

Nota: A presente informação tem como base o documento Guia do Investidor, elaborado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, que se encontra disponível em www.cmvm.pt.

Entidade Comercializadora: Banco Santander Totta S.A. - Capital Social: 1.256.723.284 € - C.R.C. Lisboa com o NIPC 500 844 321 - Sede Social: Rua do Ouro, nº 88 - 1100-063 LISBOA

Entidade Gestora: Santander Asset Management - Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, S.A., Capital Social: 17,116,510€ C.R.C. Lisboa com o NIPC 502.330.597- com sede na Rua da Mesquita, 6 - 1070-238 Lisboa.

Para uma completa informação, deve percorrer a página principal de Fundos de Investimento (inclusive a informação constante da secção "Saiba mais sobre...") e, para cada um dos produtos, as respectivas secções de informação.

A informação foi elaborada pelo Banco Santander Totta em parceria com a Entidade Gestora, com a finalidade de disponibilizar informação objetiva sobre os Fundos divulgados e reflete apenas a análise dos autores na data da sua elaboração, podendo ser alterada e não devendo ser entendida como um aconselhamento ou recomendação personalizada de investimento.

A informação disponibilizada não dispensa a leitura atenta e detalhada da Informação Fundamental ao Investidor (IFI), o Prospecto Completo e Condições Particulares do Distribuidor (quando aplicáveis), onde constam as condições aplicadas às operações de subscrição e resgate de cada Fundo, documentos aqui disponibilizados e que deverá ler atentamente antes de ponderar e de tomar qualquer decisão de investimento.

As informações fundamentais ao investidor (IFI) e os prospectos completos encontram-se também disponíveis em todos os locais e meios de comercialização dos mesmos, bem como no site da CMVM - www.cmvm.pt.