Idioma

Banco Santander Totta

 

 

 

 

 

 

 
 

 

Conferência Top Exporta - Apoio às empresas exportadoras

Cerca de 250 empresários participaram na conferência Top Exporta 2015, organizada pelo Santander Totta para apoiar e distinguir as melhores empresas portuguesas exportadoras.


O Santander Totta organizou pelo terceiro ano a conferência Top Exporta, um evento criado pelo Banco em 2012, com o apoio da Informa D&B e do Diário Económico, com o objectivo de apoiar as empresas portuguesas através da distinção das melhores empresas exportadoras, da divulgação de oportunidades de negócio nos mercados onde o Santander está presente e da partilha de experiências de internacionalização de empresas.
 

Antonio Vieira Monteiro, presidente do Santander Totta, Pedro Gonçalves, Secretário de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade, e vários membros da administração e directores do Banco estiveram presentes no evento que decorreu no dia 22 de Abril, em Lisboa, com a participação de cerca de 250 empresários.


 


Pedro Castro e Almeida, administrador da área de Empresas, abriu a conferência referindo que existem “enormes desafios colocados às empresas na internacionalização do seu negócio, pelo que é importante colocar ao seu dispor ferramentas como equipas especializadas, networking internacional e um portal que permite o contacto entre empresas”, elencando algumas das ferramentas que o Santander Totta disponibiliza para os seus clientes. 
 


Pedro Gonçalves, Secretario de Estado da Inovação, abordou o tema da Competitividade da Economia Portuguesa, destacando que “em plena crise financeira, o peso das exportações no PIB aumentou de 28% para mais de 40%”, e acrescentou que “é importante salientar a importância que a banca tem no processo de internacionalização e exportação, e é importante também as empresas saberem que podem contar com os apoios da banca, alguns deles combinados com o próprio Estado.”
 

Seguidamente Pedro Correia, Director de Negócio Internacional do Banco Santander, reforçou a mensagem “Não é possível trabalhar os mercados internacionais sem conhecer bem os fluxos comerciais. O que precisam as empresas exportadoras de um Banco? Um Banco que perceba o que são operações internacionais e que as desenvolva com rapidez e fiabilidade. Um Banco que as apoie com conhecimento e network e que saiba alargar a sua capacidade de apoio às empresas exportadoras”, acrescentou.


Por último, o responsável pela área de Planificação Financeira e Desenvolvimento Corporativo do Grupo Santander, José Luís Mora, deixou uma mensagem optimista quanto ao futuro das economias portuguesa e espanhola: “As empresas ibéricas estão muito mais competitivas do que há dois ou três anos. Há que aproveitar o momento competitivo e o forte crescimento da procura, bem como o apoio financeiro, para levantar capital e poder ir a outros mercados”.

António Vieira Monteiro encerrou a Conferência destacando o enorme esforço que as empresas têm vindo a fazer no processo de internacionalização, e referiu que “vender no exterior é ir ao encontro da cultura e ADN dos portugueses. Sempre vivemos virados para o mundo”. Referiu ainda a nova cultura “Simples, Próximo e Justo” do Banco que vai permitir “oferecer produtos cada vez melhores e mais simples às empresas, estarmos cada vez mais próximos das empresas e sermos cada vez mais justos e transparentes na nossa relação convosco”. E concluiu que só assim o Santander Totta continuará a ser o único banco a crescer no apoio às empresas.

Quatro casos de sucesso na internacionalização


Hovione, Vision-Box, Lameirinho e Cândido José Rodrigues (CJR) foram as quatro empresas, clientes do Santander Totta, que partilharam o seu sucesso internacional na conferência.
Guy Villax, CEO da Hovione, empresa que produz princípios activos para farmacêuticas actuando em exclusivo no mercado externo, referiu ser importante estar em todos os segmentos mas escolhendo com cautela os mercados. 
 


Bento Correia, CEO da Vision-Box, empresa tecnológica onde as exportações têm um peso de 95%, destacou que o sucesso da empresa passa “pela adaptação da tecnologia às pessoas e por um forte pendor de inovação”.
 

O administrador da CJR, Miguel Rodrigues, destacou a importância da racionalidade na aventura da internacionalização. “Ir com tempo é importante e o equilíbrio financeiro é fundamental”, referiu a esse respeito.
 

Todos concordaram na importância da marca Portugal como um factor que pode contribuir no sucesso de uma empresa no exterior, especialmente em determinados sectores onde Portugal se destaca como referente de qualidade. Segundo Crispim Ferreira, director geral da Lameirinho, “no sector têxtil a marca Portugal é um valor acrescentando pois lá fora os têxteis nacionais são diferenciadores”.

Santander Empresas - 707 100 029 | empresas@santander.pt
NetBanco Empresas - 217 807 130
Atendimento personalizado, dias úteis das 8h às 20h